sábado, 17 de dezembro de 2016

A Menina de Patins

Todos os dias de verão, um pouco antes do pôr do sol, como se aquilo já fosse um compromisso combinado, ela surgia na orla do Rio Vermelho, não se sabe vinda de onde. De patins, deslizava graciosamente pela via onde também passavam ciclistas, pedestres com cãezinhos e skatistas apressados. A sua aparência era sempre fresca como de quem houvesse recém saído do banho e posto a roupa de passeio, para aproveitar a última luz do dia. Nos ouvidos, um par de headphones a isolava do resto do mundo com algum tipo de música que a fazia balançar a cabeça e mover os quadris ritmicamente, tornando a cena de sua passagem num espetáculo encantador. Como ela era bela no frescor de sua jovem idade e o seu jeito inocente parecia ignorar aquele fato. O pequeno grupo de senhores que jogava conversa fora, sentados à balaustrada da praia, também naquele mesmo horário, interrompia a conversa para reverenciar a sua passagem. Era o único momento que eles deixavam de discutir receitas para curar as mazelas do país, para admirar poesia.

Naquela tarde, ela usava um vestidinho florido bem curto que esvoaçava a cada sopro salgado do mar, mas ela parecia não se incomodar. Ela estava alegre como de costume, e ouvia a sua música e dançava sobre as rodas sem se deixar perturbar. Como era bom ser jovem e andar de patins para lá e para cá sem se importar com nada mais além do caminho à sua frente.

No mirante da Paciência, ela fez uma pausa para admirar um espetáculo majestoso, o sol dissolver-se no horizonte manchando o céu de tons alaranjados. Como era bonito aquele momento que ela não se cansava de admirar e que enchia o seu peito de uma felicidade infantil, como se ela se comunicasse tão bem com a natureza como com os seu par de patins.

Ela não prestou atenção quando um rapaz jovem e forte se aproximou, e disse-lhe alguma coisa quase sussurrando. Só depois de sua insistência foi que ela tirou o fone do ouvido para escutá-lo. Ato seguido da entrega do aparelho de celular por onde ela ouvia a música e, em seguida, do par de patins. Suas pernas começaram a tremer logo em seguida e se formou uma poça de urina ao seu redor, enquanto o malfeitor corria atravessando o asfalto e sumindo pelo mundo afora. Ela teve impulso de gritar por socorro mas a emoção lhe roubou a voz, e quando finalmente ela conseguiu fazê-lo, foi socorrida por outros admiradores do crepúsculo, mas aí já era tarde demais.

Nunca mais se viu ela passeando ao pôr do sol. Entretanto, espalhou-se a notícia de que um rapaz de patins corria como o vento pela ciclovia, e pelo caminho tomava sorrateiramente da mão de passantes aparelhos de celular e bolsas, deixando um rastro de desespero ao sumir feito um raio entre os transeuntes.


Rio Vermelho, 16 de dezembro de 2016.


Nenhum comentário: